Teoria Diferencial das Forças Armadas Americanas

"Teoria Diferencial das Forças Armadas Americanas (Modelo da Cobra) sobre encontro com serpente na Área de Operações (A Op)".

1. Infantaria: a cobra os cheira. Abandona a área.

2. Páraquedista: aterra e mata a cobra.

3. Armor (Cavalaria): passa por cima da cobra.

4. Aviação: possui coordenadas GPS da posição da cobra. Não consegue achar a cobra. Volta para a base para reabastecimento, a tripulação descansa e vai à manicure.

5. Ranger: brinca com a cobra e então a come.

6. Artilharia de Campanha: mata a cobra com uma barragem de fogos massiva sobre o alvo com três Brigadas de Artilharia Avançadas em apoio direto. Mata centenas de civis como efeito colateral inevitável. A missão é considerada um sucesso e todos os participantes (i.e., rancheiros, pessoal de manutenção e capelães) recebem medalhas.

7. Forças Especiais: estabelecem contato com a cobra, ignoram todas as diretivas do Governo e Regras de Engajamento do Comandante do Teatro de Operações operando a cobra e conquistando sua mente e coração. Treina-a para matar outras cobras. Faz uma enorme viagem até o retorno.

8. Engenharia de Combate: estuda a cobra. Prepara uma tese doutrinal profunda, em 5 Manuais de Campanha obscuros, sobre como derrotar uma cobra usando equipamentos de contramobilidade. Reclama que as peças de manobra não entendem como conduzir adequadamente, de forma doutrinária, Operações de Contra-cobra.

9. SEAL Naval: gasta toda a munição e solicita apoio de fogo naval devido à falha na tentativa de matar a cobra. Cobra pica o SEAL e retrai para local seguro. Holywood faz um filme de ficção onde os SEAL matam cobras radicais islâmicas.

10. Marinha: dispara 50 mísseis de cruzeiro de diversos tipos de navios, mata a cobra e faz uma apresentação no Senado sobre como as forças navais são o melhor custo-benefício em termos de força anti-cobra.

11: Fuzileiros Navais: mata acidentalmente a cobra enquanto procura por souvenires. Habitantes Locais (Hab Loc) solicitam a retirada de todas as Forças Americanas da Área de Operações.

12. Reconhecimento Naval: segue a cobra. Se perde.

13. Controladores de Combate: guiam a cobra para outro lugar.

14: Pára-SAR: fere a cobra em um contato inicial e então trabalha fervorosamente para salvar a vida da cobra.

15. Intendência: AVISO: seu equipamento anti-cobra está com o fornecimento atrasado.

16. Piloto de transporte de C-17 (Globemaster): recebe solicitação para fornecimento de equipamentos anti-cobra. Entrega duas semanas após a data solicitada.

17. Piloto de caça F-15 (Eagle): identifica erroneamente a cobra como um helicóptero Mil Mi-24 (Hind) e a engaja com mísseis. Chefe dos tripulantes pinta a silhueta de uma cobra na aeronave.

18. Piloto de caça F-16 (Fighting Falcon): encontra a cobra, lança duas bombas de fragmentação CBU-87, erra o alvo e acerta direto em uma embaixada, à 100 km à leste da cobra, devido às condições climáticas (muito quente, mas também muito frio; céu claro, mas muito nublado; muito seco com chuva; visibilidade vertical ilimitada com baixa cobertura de nuvens, etc.). Avisa que comprando um dispositivo multi-milionário de alta tecnologia anti-cobra proporcionará, no futuro, a morte de todas as cobras e uma revolução nos problemas militares.

19. Piloto de helicóptero AH-64 (Apache): incapaz de localizar a cobra. Cobras não aparecem muito bem no infravermelho. O infravermelho só é efetivo em Áreas de Operações desérticas sem linhas de energia ou artilharia antiaérea.

20. Piloto de helicóptero UH-60 (Black Hawk): encontra a cobra no 4º sobrevoo, após a cobra ter feito uma fogueira, sinalizado com fumaça e desdobrado um "T" (Tango) para marcar a Área de Pouso. No pouso, o vento do rotor joga a cobra no fogo.

21. Piloto de bombardeiro B-52 (Stratofortress): realiza uma missão de bombardeio pesado sobre a cobra, mata a cobra e toda outra forma de vida em um raio de 5 km.

22. Equipe de míssil de longo alcance LGM-30 (MinuteMan): configura as coordenadas da cobra como alvo em 20 segundos, mas não consegue autorização do presidente para o uso de armas nucleares.

23. Oficial de Inteligência: cobra? Que cobra? Somente quatro dos 35 indicadores de atividade ofídia estão atualmente ativos. Estabelecemos o potencial de risco como BAIXO.

24. Assessoria Jurídica: a cobra se nega a picar, alegando ética profissional.

25. Comunicações: tenta se comunicar com a cobra... Falha diversas vezes. Alega que a cobra não possui a frequência correta ou que não sabe operar corretamente um equipamento que uma criança operaria. Oficial de Comunicações (O Com) informa ao comandante que ele poderia facilmente se comunicar com a cobra utilizando apenas a sua voz. O comandante insiste que ele PRECISA video-conferenciar com a cobra, transmitindo, em tempo real, informações situacionais e logísticas sobre a cobra mostrada no vídeo para ambos os lados. Dá às Comunicações 5 bilhões de dólares para fazer acontecer. O O Com explora 2 nerds do grupo para fazer acontecer, enquanto todos os demais permanecem por ali, malandros, e ficam com os créditos. Ao final, os fabricantes e outros terceirizados fazem alguns bilhões de dólares, os 2 nerds vão embora para trabalhar pra eles e o comandante tem o que solicitou através de simulações utilizando fibra ótica. A cobra é esquecida."

Por: Swamp Fox (RIP) - Neptune
Tradução: Marcello Loriato

Link

Imprimir Email

  • /site/index.php/blog-artigos/85-entenda-o-que-muda-com-decreto-de-bolsonaro-sobre-armas
  • /site/index.php/blog-artigos/90-machado-tomahawks

Número Acessos

Ver quantos acessos teve os artigos
55011

Operadores Online

Temos 20 visitantes e Um membro online

Busca